Colheita de flores

Colheita de flores

terça-feira, 14 de setembro de 2010

OFERENDA LÍRICA - TAGORE/DIVALDO

CAMPO FLORIDO - VENDIDa
  • Eu mergulho fundo no abismo do oceano das formas, na esperança de obter a pérola perfeita, daquele que não tem forma.
  • Não há mais navegar de porto em porto, neste meu barco flagelado pela tempestade. Foi-se o tempo em que o meu divertimento era ser embalado pelas ondas. E agora anseio por morrer dentro do que não morre.
  • Na sala de audiência, perto do abismo sem fundo onde floresce a música das cordas sem som, eu empunharei esta harpa da minha vida.
  • Eu a modularei pelas notas do eterno e quando ela tivér soluçado seu último segredo, depositarei aos pés do silencioso a minha harpa silenciosa."
  • (Tagore/Divaldo Franco)