Colheita de flores

Colheita de flores

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Rabindranath Tagore/Divaldo Pereira Franco

VIOLINO E ROSAS

SSAROS LIVRES
"Os meus,
São cantos que o coração desata em arrebatamentos ricos de emoção.
As minhas, são canções que a ternura liberta das entranhas da alma e
atira no rumo dos ventos viajeiros para que vençam distâncias.

Tenho a sensibilidade aguçada pelo amor e libero a música doce da esperança que jaz na janela da minha pequenez.

Espalho pelo ar as notas do pentagrama que a vida entoa no profundo do meu ser.

Buscando o meu REI e meu SENHOR, modulo o meu verbo e chamo e canto e suplico.

Pássaros livres, eles voam ganhando espaço na direção do Infinito e se vestem de luz.

Durante as pesadas monções e no periodo das secas, os meus pássaros da mesma forma cantam em liberdade, enriquecendo a paisagem de som e emoldurando-a de beleza.

Os meus cantos são poemas vivos de amor que se libertam da gaiola estreita da emoção onde nascem, e vencem a amplidão como pássaros da felicidade.

Aceita meu SENHOR, as minhas melodias; e faze que elas sejam sempre os pássaros livres portadoras de Paz e anunciadoras da Primavera perene para todos os infelizes do mundo.

Assim cantarei, e os meus serão  poemas e canções imortais."

Rabindranath Tagore/Divaldo Pereira Franco

quarta-feira, 14 de abril de 2010

AMOR E PAZ

"PASSE PELA VIDA SERENAMENTE,

COM PASSOS LEVES E SILENCIOSOS!

EM CADA PASSO QUE DER, DEIXE MARCAS.

MARCAS DE AMOR E PAZ.

EM CADA LUGAR QUE PASSAR,

DEIXA SAUDADES E LEVE LEMBRANÇAS...."


segunda-feira, 12 de abril de 2010

MARTHA MEDEIROS



MORRE LENTAMENTE
Morre lentamente quem não viaja,
quem não lê,
quem nao houve música,
Quem não encontra graça em sí mesmo.

Morre lentamente
Quem destrói seu amor próprio,
quem não se deixa ajudar.

Morre lentamente,
Quem, se transforma escravo do hábito,
repetindo todos os dias o seu trajeto,
quem não muda de marca.
Não se arrisca a vestir uma nova cor ou
Não conversa com quem não conhece.

Morre lentamente,
Quem evita uma paixão e seu,
redemoinho de emoções, justamente os que resgatam o brilho
dos olhos e o coração aos tropeços.

Morre lentamente
Quem não vira a mesa, quando está infeliz,
com o seu trabalho ou amor,
Que não arrisca o certo pelo incerto
Para ir atrás de um sonho,
Que não se permite, pelo menos uma vez na vida,
fugir dos conselhos sensatos.
Viva hoje!
Arrisque hoje!
Não se deixe morrer lentamente!"
(MARTHA MEDEIROS)

NÃO SE ESQUEÇA DE SER FELIZ     

UMA MARAVILHOSA SEMANA A TODOS       

quarta-feira, 7 de abril de 2010

EROS/PSICOGRAFIA DE DIVALDO PEREIRA FRANCO

         
                                                      TULIPAS  VI
 "SILÊNCIO"
Faça um pouco de silêncio interior.
Escute as harmonias da Criação e voe rumo as estrelas.
Abandone os ruídos perturbadores e penetre-se de quietude, 
serenando ansiedades, aflições....

Deixe-se arrastar pelas vibrações de paz, silenciando a algazarra, o pandemônio interno.
Não lhe baste deixar de falar.
Equilibre as ondas mentais e ouça a música da Natureza.
O silêncio é fonte geradora de energia saudáveis.
Ele irriga o coração e fomenta a esperança, dulcifica os sentimentos atormentadas,
penetra as fibras íntimas da emoção.
Em silêncio não pense em nada, não fuja de nada.
Quieto em sintonia com o Divino Pensamento, torne-se vibração de amor, a fim de
suportar os ruídos que aturdem as criaturas, quando retorne aos labores comuns.
Nada lhe perturbe o silêncio do coração.
O silêncio é dínamo de força e juventude naquele que o preserva no comportamento.
Há vibrações de harmonia em toda parte, aguardando que as atitudes de silêncio profundo
facultem a sintonia com elas.
Permaneça em silêncio todos os dias."
(Eros)    psicografado por Divaldo P. Franco, extraído do Livro "Paz Íntima"

 

sexta-feira, 2 de abril de 2010